20/02/11

O actor manipulador na Cena Dramática

A questão da versatilidade de um actor em cena, é mais ou menos consensual, no sentido em que a formação nos impulsiona a uma percepção da verdadeira necessidade em que um actor deverá também bailarino, ou pelo menos ter o seu corpo disponível, saber usar a voz não só para a palavra mas também para o canto assim como rodear-se de mecanismos que o apoiem para uma mais controlada interpretação.


Ora e o actor manipulador? E quando à cena se alia a marioneta.

Assim como a dança, o treino físico e a preparação vocal exigem tempo de preparação, como podemos acreditar no controle sobre a marioneta se não for exigido a mesma preparação.



Se não há informação tenderá a imperar o senso comum e mesmo dita-nos um conjunto de clichés básicos e primitivos que em relação à interpretação e ao movimento em cena não são levados de forma tão leviana.



Esta é uma chamada de atenção, a marioneta é um meio de comunicação que temos de aprender a usar para que esta transmita o que se pretende.



Neste jogo teatral onde o público que assiste a um espectáculo recebe um conjunto de regras às quais tem de obedecer o manipulador. Se vestido de negro tentando não ser nada, anular-se perante o objecto que manipula pode ser um risco muito forte, pois a sua presença física é forte e constantemente o espectador tentará anula-lo, talvez sem nunca o conseguir a verdade é que se não se pretende anular a sua presença tem de ter significado, para si para a sua relação com a marioneta e para a sua relação com o espectador.







A minha discussão centra-se, prende-se com esta conciliação do manipulador/actor dentro da estrutura do espectáculo, uma personagem, presente. Já tinha abordado esta questão quando a formação com Neville Tranter pois é uma das premissas do stuffed puppets que o manipulador é um actor que em cena é submisso à marioneta, ou seja, perante a sua presença, ele coloca-se em segundo plano, tendo a mestria de ganhar uma nova dinâmica sem a presença das mesma, neste sentido ganhamos uma personagem com densidade, com duas facetas distintas em relação ás marionetas que manipula, mas será esse o caminho.



Este é um aspecto fundamental que não é muitas vezes tomado em conta mas que em meu ver deveria ser o ponto de partida para com qualquer criação que envolva marionetistas e marionetas.


18/02/11

"Bzzzoira Moira" no Forúm Cultural de Alcochete

Dia 27 de Fevereiro de 2011

11h00
"Bzzzoira Moira" por Marionetas de Mandrágora






Sinopse
As lendas de mouras encantadas e seres fantásticos povoam todo o país. “Bzzzoira Moira” é uma história sobre um poço negro que, segundo dizem, esconde um tesouro guardado por uma moura encantada por um feitiço.





Durante a noite, a jovem chora enquanto se penteia, mas, durante o dia transforma-se num animal que afugenta o aguadeiro que caminha para o poço, onde vai buscar água… Este é o início de uma extraordinária história a não perder.




Outras informações



Local: Fórum Cultural

Contacto: 212 349 640 forum.cultural@cm-alcochete.pt

Destinatários: Crianças maiores de 6 anos.

Informações Adicionais: Produção: Marionetas de Mandrágora. Criação e interpretação: Filipa Alexandre. Coordenação da construção da cenografia e marionetas: Envide Nefelibata. Apoio à produção: Clara Ribeiro. Desenho de Luz: José Carlos Machado. Design Gráfico: Patrícia Costa. Duração: 40 minutos.

Ingresso: €5 (criança)/ €7,50 (criança e adulto).
Os ingressos reservados devem ser levantados até dia 25 de Fevereiro.
A iniciativa está limitada a oitenta participantes.







14/02/11

Chegou ao fim o Mar Marionetas

Entre espectáculos, workshops e exposições o Festival chega ao fim.
Com a nossa nova morada o acompanhamento deu-se mais próximo. Depois do grande tubilhão dá-se agora alguma acalmia.
Durante esta semana a Companhia irá realizar uma palestra sobre as marionetas no espaço cénico na Faculdade de Arquitectura do Porto, e ainda na Casa Andresen apresentar " A origem das quase espécies", irá ser apresentado o projecto que a companhia desenvolveu com cientistas em 2009 para a Noite dos Investigadores.
Decorrem ainda formações, sendo que dia 2 Abril inaugura a exposição da companhia no FACE, com actividades e visitas acompanhadas.