19/03/10

21 de Março - DIA MUNDIAL DA MARIONETA

MENSAGEM
Via Unima Internacional

Dia mundial das marioneta


"Como muitas pessoas, eu fui profundamente afectado pelo sismo que recentemente devastou o Haiti. Olhando constantemente para as imagens transmitidas na televisão e na internet eu perguntei-me, de entre todos os meios de expressão das artes cénicas, qual o que seria o mais eficaz para expressar a dimensão humana de tal cataclismo?
Qual seria o melhor meio de evocar a compaixão sem cair na mera piedade, para inspirar solidariedade sem ser moralista, e que seria melhor capaz de provocar no nosso próprio corpo, um eco da dor física dos ferimentos e amputações?
Na verdade, eu me perguntei como seria possível transpor para um palco, não só o sofrimento do povo haitiano, mas igualmente sua resiliência, que tanto nos comove e nos inspira ao mesmo tempo?
Pareceu-me que a marioneta seria o melhor meio para transmitir esta tragédia. A sua impotência, a sua vulnerabilidade, mas em igual medida a força de sua pureza e sua inocência combinadas para criar uma ligação tanto íntima e única com o espectador. Essa solidariedade decorre, provavelmente, da grande vantagem que detém sobre o teatro do actor e do cinema: o actor desempenha um papel, o boneco é sempre verdadeiro.
Em contraste com o actor, as crueldades feitas a uma marioneta não são fingidas e quando as cordas são cortadas, quando é agredido, ridicularizado, humilhado, maltratado ou desmembrado, ela nunca reclama. É reparado, re-colado e novamente se ergue sobre os seus pés, tão bom como novo.
Esta verdade dota as marionetas com um poder magnífico, pois parecem, ao mesmo tempo ser capaz de enfrentar os atropelos do destino e possuir a coragem necessária para reconstruir um mundo em ruínas. "

Robert Lepage
Robert Lepage - Québec, 1957

Funil

A cenografa Marta Fernandes da Silva, está no ateliê da Companhia, a preparar os estudos da Cenografia, do próximo espectáculo da companhia, "FUNIL" com encenação de Clara Ribeiro.


18/03/10

Projecto lendas da floresta

Este projecto iniciado em 2008, tem neste momento continuidade através da junção da Freguesia de Curvos às Freguesias de Palmeira de Faro e de Antas em Esposende. A partir de entrevistas a membros mais velhos da comunidade, alargamos o espectáculo "Lendas da Floresta" através da inserção de novos elementos que pertencem ao património e tradição oral de Curvos. Este projecto foi inteiramente construído a partir dos relatos e narrativas resultantes das diversas entrevistas realizadas.

Com apresentação pública marcada para 17 de Julho em Curvos, Esposende. Entre o Teatro e as Marionetas.


17/03/10

Ainda resta 1 inscrição



Notícias

A tradição da Queima do Judas vai ser cumprida em Vila do Conde a 3 de abril, sábado de Aleluia, a partir das 22h30, numa iniciativa levada a cabo pela associação local Nuvem Voadora.

Pela primeira vez, a organização preparou um “espetáculo ambulante” que começa em frente à câmara Municipal, prosseguindo ao longo de várias artérias.

A iniciativa termina com a leitura do testamento do Judas na Avenida Dr. João Canavarro, em frente ao Tribunal, explicou o presidente da coletividade, Pedro Correia, hoje durante a apresentação do evento.

Este ano, o Judas, que está a ser construído pelo Teatro de Marionetas Mandrágora, tem uma altura de quatro metros, é 'manipulável' e vai “acompanhar o desfile”, avançou Pedro Correia.

O tema escolhido para esta edição vai girar em torno da “migração” e ainda “da vida e obra de Sonia (estilista) e Robert Delaunay (artista), um casal francês que fugiu para Vila do Conde durante a I Guerra Mundial, onde viveram um ano e meio”, explicou Paulina Almeida, também da organização.

“Mas esperamos cerca de 2500 pessoas a assistirem a esta performance”, referiu Pedro Correia.

O testamento do Judas vai reunir “críticas e queixumes da população em relação à vida social, cultural, económica e política”, razão pela qual Pedro Correia volta a pedir às pessoas que, “de forma anónima, enviem os seus contributos (textos) para a associação”.

No dia 29 de março está previsto um workshop sobre a construção da marioneta do Judas, orientado pela companhia Mandrágora.

Foi há cinco anos que a Nuvem Voadora decidiu recuperar a tradição que havia sido perdida em 1950, a última vez que se realizou a Queima do Judas em Vila do Conde.